terça-feira, 24 de janeiro de 2012

O que está adormecido irá acordar






Mais brilhante que o Sol,
este lago a ferver como um grande caldeirão,
e apesar de nenhuma coisa viva suportar
esta caldeira ardente, num calor de fusão,
Peres do'Vale vislumbrava aqui criaturas
demasiado escuras e temíveis para contemplar.

Contorcendo-se abaixo da superfície a ferver,
em chamas escarlates, âmbar, douradas,
estavam seres com asas e presas e garras,
como saídas do abismo a rastejar.

Mas na margem estava um Cavaleiro
adornado com um manto de branco virginal,
com uma cruz vermelha gravada no peito
e uma luz sagrada à sua volta a brilhar.

Para Peres do'Vale este Cavaleiro se voltou,
Levantou o braço em direcção ao lago,
e num tom severo, de comando,
ordenou a Peres do'Vale que aí os tesouros lançasse.

Peres do'Vale ficou quieto como uma rocha,
o seu coração tornou-se frio, os seus dedos gelaram,
sentindo que não suportaria deitar fora
os tesouros preciosos que tinha nas mãos.

E então o Cavaleiro falou uma vez mais,
e a sua voz era uma seta que fundo o atingia :


"Nós somos Irmãos, Peres do'Vale,
e os teus Irmãos não te vão enganar.
Tudo o que for perdido será recuperado.
Tudo o que está adormecido irá acordar."


E Peres do'Vale, recuperada a sua fé,
inclinou-se e atirou os tesouros.

A cruz de ouro brilhante e puro,
amarelo como o Sol da manhã;

o castiçal de sete braços
de prata batida, reluzente;
por fim o crescente de chumbo martelado,
de superfície cinzelada, de tom sombrio.

De repente surgiu uma canção
de muitas vozes em uníssono,
transportadas pela brisa, doces e puras.
Elas encheram o céu como uma aurora matinal.

Agora o lago já não era de fogo
mas sim de águas tranquilas, azuis e transparentes,
e delas saiu uma figura dourada
com olhos de prata e cabelos de chumbo.

Peres do'Vale caiu de joelhos
e chorou de pura alegria.
Levantou a cabeça e três vezes clamou
Salvé! Salvé! Salvé!

"Livro do Graal"

Regra:cap.LIII

   
Regra dos pobres Cavalleiros do Templo na Cidade Santa de Jerusalem

Que se assista aos enfermos com todo o necessario.

Capitulo LIII

Mandamos encarecidamente aos Enfermeiros, que com toda a attençaõ dem o que for necessario para o serviço, e cura de qualquer enfermidade conforme a possibilidade da Casa, carne, aves, e o mais necessario.

 

Regra:cap.LII

  
Regra dos pobres Cavalleiros do Templo na Cidade Santa de Jerusalem

Que se cuide muito dos achacados.

Capitulo LII

Sobre tudo se ha de ter cuidado, e disvelo dos Religiosos achacados, e que se sirvaõ, como a Christo, tendo na memoria o Evangelho, que diz : Estive enfermo, e me visitaste.  Os enfermos pois se haõ de sofrer com tolerancia, e paciencia ; porque assim se logra abundante paga de Deos.
  

sábado, 21 de janeiro de 2012

Fragmentos de tempo


[ ...  vou todos os dias até ao castelo. Costumo subir à velha torre sineira da Porta do Sol. Da antiga e já desaparecida capela de Santa Maria. Guardo ainda um punhado de terra do adro, da época em que ela ainda existia  ... ]

[ ...  Ah... então o velho Frei Leote continua a tratar da horta do mocho! O velho matreiro que deixava entrar os miúdos na horta grande, quando a fome grassava pela cidade e que depois de o Prior descobrir e mandar tapar as passagens subterrâneas por onde eles entravam, atirava os "restos" dos produtos hortículas para o exterior da muralha para os pequenos fedelhos os recolherem enquanto o Prior fingia não ver. Eram os "ratos da horta".
Histórias com quase cinco séculos  ... ]

[ ...  os passeios ao bosque são sempre mágicos.
Mágico é o banho matinal no lago, onde mergulhado na água, vejo as andorinhas fazer voo rasante a poucos centímetros da minha cabeça, entretidas a refrescar-se  ... ]

[ ... o previlégio de se ser Templário. De poder pela manhã ter acesso aos velhos textos dos frades beneditinos da pré-Santa Maria do Olival, dos registos dos "Bezerros" e das memórias do velho castelo. Dezasseis volumes ignorados do mundo.
Como a História conhecida é tão diferente da verdadeira! Que previlégio poder olhar estes livros!
Memórias que um dia voltarão a Thomar ... ]

[ ... Que divina sensação cavalgar por estes bosques como o faziam os nossos irmãos há 800 anos atrás! É este o Graal que temos como missão, guardar ... ]

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Documento XXV


 Uma doaçaõ que fez o Senhor Rey Dom Sancho I.
Della consta ser Mestre do Templo Dom Lopo,
e por isso o 5. Mestre, he a Doaçaõ da Idanha a Velha.

Em nome de Deos. Amen. Como quer que o costume tenha força de ley, e por authoridade da ley, conhecemos que as obras dos Reys devem ficar gravadas em escripturas, porque desta sorte naõ possaõ perder se da memoria dos homens, e por ellas sejaõ presentes a todas as couzas que muitos annos passaraõ.  Por tanto, Eu Sancho por graça de Deos Rey de Portugal juntamente com minha Mulher a Rainha Dona Dulce, e com meos Filhos, e Filhas faso Carta de Doaçaõ, e perpetua firmeza a vós Mestre Dom Lopo, e a todos os Freires da Milicia do Templo assim presentes, como futuros, daquella Cidade que se chama Idanha, a qual meo Pay o Illustrissimo Rey Dom Affonso de boa memoria já em outro tempo tinha dado aos Freires vossos para a povoarem, a qual está situada entre a Covillam, e Monsanto, e o Rio Tejo, e a serra de Veleza.  Esta sobredita Cidade damos a Deos, ha caza da Milicia do Templo, para que a possuais, e tenhais para sempre por direito hereditario do mesmo modo que tendes, e possuis as outras terras da vossa Ordem em meo Reyno o qual está junto aos Reynos de Hespanha.  E concedemos a vós firmemente que a tinhaes, e possuaes para sempre com todos os seos termos, e demarcações novas, e velhas, assim como melhor as puderes achar, e ter, com toda a inteireza de direito que na tal Cidade nos podia pertencer.   E isto fazemos por Deos, e pelo bom serviço, que de vós, e dos Freires do Templo temos recebido, e cada dia recebemos ; e por dous Castellos que de vossa maõ temos, a saber Mogadouro, e Penas roxas.   Por tanto todo aquelle que vos guardar, e a vossos sucessores este meo feito inviolavelmente seja bendito do Senhor.  Amen.  E aquelle que presumir quebralo, ou diminuilo incorra na ira de Deos Omnipotente ; e o que elle fizer, seo sucessor o tenha por irrito, e de nenhum vigor.   Foi esta Carta feita em o Porto do Douro, aos vinte, e tres dias de Janeiro da Era de mil duzentos, e trinta e cinco* ; sendo passados onze annos do nosso reinado, e sendo o terceiro da povoaçaõ da dita Cidade.
Nós os Reys que esta Carta de perpetua Doaçaõ, e comcambio mandamos fazer em prezença dos abaxo assignados a roboramos, e puzemos nella os signais seguintes -)-)-)--.
Martinho Arcep. de Braga ..................................... conf.
Martinho Bisp. do Porto ...................................... conf.
Pedro Bisp. de Lamego ....................................... conf.
Niculao Bisp. de Vizeu ........................................ conf.
Pedro Bisp. de Coimbra .................................... conf.
Payo Bisp. de Evora ......................................... conf.
Sueiro Bisp. de Lisboa ....................................... conf.
Gonsalo Mendes Mordomo mór ....................... conf.
Rodrigo Mendes Alfers mór ............................. conf.
Gonsalo Valasques ......................................... conf.
Rodrigo Vasques ............................................. conf.
Rodrigo Suares .............................................. conf.
Raimundo Paes Senhor de Covelham ........... conf.
Joaõ Fernandes Trinchante mór .................. conf.
Martinho Fernandes .................................... conf.
Sueiro Soares .............................................. test.
Egas Paes ................................................... test.
Pedro Nunes ............................................... test.
Pedro Gomes ............................................. test.
Fernando Nunes ........................................ test.
Martim Nunes ........................................... test.
Juliano Notario da Corte.
Gonsalo Conigo do Porto a escreveo.
  _________________
* 1197
  

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Separando o trigo do joio



Iniciamos hoje, uma nova etiqueta com o nome "Desmitificar". Desfazer mitos.
Seremos duros e rigorosos, mesmo sabendo que iremos desiludir alguns.
Será uma matéria abrangente, por englobar a Ordem do Templo no seu todo histórico e esotérico.
E, por isso, não se restringir aos Templários Portugueses.

__________________________________________


Por ser, de momento "o assunto do dia", têm-nos sido colocadas algumas dúvidas (pertinentes) sobre a  ligação da  maçonaria aos Templários.
Queremos esclarecer esta espécie de mito, realçando em maiúsculas:

NUNCA A MAÇONARIA TEVE QUALQUER TIPO DE VÍNCULO HISTÓRICO OU RELAÇÃO - POR MAIS REMOTA QUE FOSSE - COM A ORDEM DOS TEMPLÁRIOS!

Existem sociedades secretas que se dizem herdeiras dos Templários e que usam abusivamente da sua História e Simbologia. Que fique aqui bem claro que, NÃO SÃO TEMPLÁRIOS!

Nós, Templários Portugueses, usamos critérios de recrutamento rigorosos, não admitindo no nosso seio elementos que professem militâncias alheias.
Cada Irmão adere de livre vontade à causa e ao Projecto Templário e só a eles se dedica.
A nossa Regra e os nossos Estatutos são bem claros quanto a isso.

Citando a introdução ao Guia do Templário, "Honor et Fortitudine" :

" Os Templários foram a mais extraordinária Ordem de Cavalaria da Idade Média.
Muitos tentaram recriá-la mas falharam.
O seu segredo continua guardado pelos que escreveram este Livro.
E pelos que o souberam ler."
    

domingo, 1 de janeiro de 2012

O poder do pensamento



  
" Tenta compreender que não há nada que possa circunscrever o incorpório, nada que seja mais veloz e mais potente, enquanto que, pelo contrário, é o incorpóreo que, de entre todos os seres, é o não circunscrito, o mais veloz, o mais potente.
Tenta compreender desta maneira, extraindo essa experiência de ti próprio.
Ordena à tua alma que se dirija à India, e ela será mais rápida do que a tua ordem; manda-a ainda passar no Oceano e mais uma vez ela ali estará rapidamente, não como se tivesse viajado de um lugar a outro, mas como se já ali estivesse.
Ordena-lhe que voe no céu e ela não terá necessidade de asas: nada lhe pode opor obstáculos, nem a chama do sol, nem o éter, nem a rotação do céu, nem os corpos dos astros, mas, sulcando todos os espaços, ela voará até ao último dos corpos celestes.
Se tu quisesses ainda irromper fora do próprio universo e contemplar aquilo que existe para além dele (se alguma coisa existe), também isso seria possível.

Hermes Trismegisto
Corpus Hermeticum

__________________________
Ao ser humano foi-lhe atribuído, entre outros dons, o da VONTADE.
Uma força que consegue mover montanhas.
No início deste novo ciclo solar que datamos de 2012, que a FORÇA DA VONTADE de cada um ajude a recuperar tudo o que perdemos no ciclo anterior.
Que haja a FORÇA DA VONTADE de conquistar novas dimensões para a nossa existência.
Que nunca se quebre a VONTADE de continuar a guardar e a transmitir a chama viva da sagrada memória.

Por PORTUGAL !

POR TU GRAAL !