quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Dualidade


Acorda na noite ainda cerrada.
Os fantasmas de vidas ceifadas
custam a dissipar na madrugada fria.

Sente ainda na pele o peso da máscara
do duro guerreiro que acabara de ser.
O corpo rude suportou mais um embate
mas é agora a alma que se ressente.

Daqui a pouco irá de novo colocar
a máscara fingida do monge...
Como se a súplica vazia da oração
redimisse todo o sangue derramado.

E é neste intervalo entre máscaras
que existe o verdadeiro Templário.
Sem capas, mantos ou maldições,
ele se recolhe...
Não nos templos fingidos do mundo
mas no seu próprio Templo.

Distante, ele observa o vil mundo, em baixo.
Fecha os olhos cansados e agradece.
Que bênção poder ser uno, por instantes...

Mas a maldição da dual existência, reclama-o.
Está na hora de colocar de novo a máscara
...e voltar a descer.

Pedro M
Templários Portugueses

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Tombo:XXXVII


Documentos dos Templários Portugueses
guardados na Torre do Tombo


Abril de 1202

Testamento de Mourelino pelo qual deixou à Ordem do Templo todos os seus bens.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Latim versus ...latim



Continuam a chegar-nos reparos sobre alegados erros no Latim usado no nosso blog.
Quanto a este assunto, cabe-nos explicar o seguinte:

Como sabem, o Latim passou por várias fazes ao longo do tempo, desde que começou a ser falado até que se tornou uma língua morta.
Foi amplamente difundido na Europa como língua oficial do império romano e, após a conversão deste ao cristianismo, língua oficial da igreja católica.
Através da igreja, tornou-se a língua dos académicos e filósofos europeus medievais.

Embora o latim seja hoje uma língua morta, ou seja, uma língua que não mais possui falantes nativos, ele ainda é empregue pela igreja católica para fins rituais e burocráticos. Exerceu enorme influência sobre diversas línguas vivas, ao servir de fonte vocabular para a ciência, o mundo académico e o direito.
O latim vulgar, nome dado ao latim no seu uso popular inculto, é o ancestral das línguas neolatinas (italiano, francês, espanhol, português, romeno, catalão, etc.

Os antigos escritos que fazem parte da biblioteca secreta dos Templários atravessam várias Eras históricas que vão desde a antiga escrita do Oeste Peninsular, passando pelos idiomas Lusitanos (proto-Português), assim como pelo Grego, Latim pré-literário, arcaico, clássico, imperial, vulgar, tardio ou medieval, o Português arcaico, o árabe e o moçárabe.

No que respeita ao Latim, os Templários Portugueses usavam duas versões dependendo se efectuavam registos oficiais da Ordem externa ou documentos e transcrições da Ordem interna.
Os Irmãos amanuenses ou copistas da Ordem interna, usavam de um Latim aportuguesado a que hoje muitos académicos chamariam de vulgar, popular ou inculto.

Por isso, optámos por transcrever fielmente para o nosso blog esse tipo de Latim, tal como se apresenta originalmente nos documentos históricos.

Convém ainda, não esquecer a escrita cifrada dos Templários.
No caso particular de TEMPLUM IN AETERNUM e ao contrário de que alguns puristas possam ter julgado inicialmente, o IN não está mal colocado.
Ele "apenas" liga, de uma forma especial, duas palavras-chave.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Tombo:XXXVI


Documentos dos Templários Portugueses
guardados na Torre do Tombo



Abril de 1202

Testamento de Gonçalo Martins pelo qual deixou à Ordem do Templo a terça parte de seus bens.