quarta-feira, 19 de março de 2014

Último Mestre Geral



Devido ao anterior artigo publicado, em que mencionamos o Irmão Jacques de Molay como penúltimo Mestre Geral da Ordem dos Templários, o nosso correio electrónico foi literalmente inundado de pedidos de esclarecimento sobre este assunto.

"Então Jacques de Molay não foi o último Mestre Geral da Ordem dos Templários, conforme rezam as crónicas?"

Não.

Devido aos acontecimentos que se perspectivavam (e que infelizmente acabaram por ser um facto), a cúpula da Ordem elegeu um novo Mestre Geral e manteve essa nomeação em segredo.
Mesmo que a Ordem tivesse sido ilibada de todas as acusações e Jacques de Molay tivesse sido libertado, ele não continuaria como Mestre Geral da ordem e teria sido substituído pelo Irmão eleito.

Este novo Mestre Geral viajou incógnito na frota Templária que se refugiou nas ilhas atlânticas, conforme já referimos em artigos anteriores (ver a série "Navegações").

O nome e a nacionalidade deste que foi efectivamente o último Mestre Geral da Ordem (externa) dos Templários, o seu percurso e a influência que manteve nesta fase conturbada de transição da Irmandade Templária, faz hoje parte da História secreta da Ordem interna.

Podemos apenas adiantar que, com a cumplicidade de el-Rei D. Dinis, este Irmão entrou depois no reino com identidade portuguesa e integrou discretamente a nova Ordem de Cristo.

________________________________
Razão da foto: Nesta fase de transição os Templários tiveram de passar despercebidos na tentativa de escapar à ordem de detenção do rei francês. Para isso mudaram as cores do uniforme apesar de manterem as insígnias que tapavam com um manto negro. Demos a entendê-lo no nosso artigo de 17 de Abril de 2012 intitulado "Balada de um condenado".

segunda-feira, 17 de março de 2014

Fénix Templária



Jacques de Molay
Vitrey-sur-Mance, 1244 - Paris, 18 de Março de 1314

Penúltimo Mestre Geral da Ordem dos Templários
1298 - 1314

(assassinado pelo rei de França e pela igreja católica)


Setecentos anos e parece que foi ontem.
Todos os anos a tua dor renasce em nós, qual Fénix das cinzas.
Uma dor que só a nós é permitida.

Os que quiseram silenciar-te não entenderam que já tinhas lançado os dados do destino. Do teu e do deles.
Deixaste a maldição Templária gravada na testa das bestas que te martirizaram. E nós executámo-la.

Malditos os que violam a inocência humana. Os que prometem solidariedade, igualdade, liberdade ...e mentem.

Tombo:XXXIX


Documentos dos Templários Portugueses
guardados na Torre do Tombo


Fevereiro de 1203

Carta de doação feita por D. Oiro e Toda Mendes, sua mulher,
à Ordem do Templo, de uma herdade em Moinhos de Prados.

sábado, 8 de março de 2014

Egos cheios de nada



O Mestre observava atento o grupo recém chegado de Iniciados.
Um deles falava, parecendo captar a atenção dos restantes.
O velho Cavaleiro escutava com interesse.
O grupo entretanto dispersara a atenção e o Mestre veio sentar-se junto do 'orador'.

- Pareceis saber já muito sobre a Ordem para a qual pretendeis entrar. Onde aprendestes tudo isso?
- Li muitos livros e frequentei as melhores escolas iniciáticas antes de decidir pedir para ser aceite entre vós. Penso estar bem preparado, senhor.

Após alguns instantes de silêncio, o Mestre colocou um copo e um cântaro de água em frente do aluno.
-  Vazai então água nesse copo, em proporção do conhecimento que pensais ter sobre a Ordem.

O aluno, disposto a impressionar, encheu o copo até acima.

O Mestre pegou num outro cântaro que continha vinho.
- Isso, é o que pensais saber e isto, é o que tenho para vos ensinar...
E fez o gesto de quem ia despejar o vinho no copo já cheio de água.

O aluno, percebendo a intenção do Mestre, rapidamente atirou fora a água oferecendo o copo vazio.
- Perdoai-me a arrogância, Mestre. Afinal, o copo estava cheio de nada. Podemos começar de novo?

quarta-feira, 5 de março de 2014

Tombo:XXXVIII


Documentos dos Templários Portugueses
guardados na Torre do Tombo


Junho de 1202

Doação de Teresa Mendes, Freira da Ordem do Templo,
de uma quinta, um casal e uma vinha, em Silvares,
feita à mesma Ordem.

Passagem



Dai-me uma dúvida
e eu dou-vos um segredo.
Sabei que, ao aceitá-lo,
não mais vos encontrareis.
Pois ninguém passa duas vezes
a mesma água do rio.

(Passagem do Iniciado)
Templários Portugueses