quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Castelo Novo


Apesar de muito modificado,
isto é o que resta do antigo Castelo Templário do Lageal,
conhecido como Castelo Novo.


Em 1172 El-Rei D. Afonso I de Portugal fez doação à Ordem do Templo do que restava do velho castelo mourisco de Balaq'ruq; uma velha fortaleza árabe em adiantado estado de ruína.
Entretanto, a pequena comunidade de mouros alforriados ali existente já se estabelecera um pouco mais a nascente sobre os restos de uma outra construção ainda mais antiga.
Por, este último lugar já se projectar a alguma distância do primeiro e oferecer melhores condições de defesa, Mestre Gualdim Paes decide mandar construir aí um novo castelo, aproveitando os restos materiais da velha fortaleza.
Nasce assim o Castelo do Lageal ou, como ficou oficialmente registado na Ordem, o Castelo Templário de S. Miguel do Lageal e respectiva Comenda.
A 23 de Outubro de 1179, Mestre Gualdim atribui a este novo lugar o seu primeiro foral.
Em 1199 D. Sancho I faz a doação da região da Açafa à Ordem do Templo e um ano e meio depois, após os Templários reconstruírem (a partir de um velho castro) o Castelo de Montalvão, perto de Nisa, a Ordem entrega o Castelo do Lageal à coroa.
A 10 de Maio de 1202 D. Pedro Guterres, como seu donatário, atribui novo foral à localidade denominando-a já como Castelo Novo.
Em Janeiro de 1205, deixa em testamento à Ordem do Templo a terça parte de Castelo Novo, em reconhecida homenagem aos fundadores Templários.

Ermida de S. Brás

Construída sobre uma primitiva capela do Templo, a ermida de S. Brás ostenta ainda o símbolo Templário da Ordem de Cristo sobre o arco da porta principal.

Cruz da Ordem de Cristo

Junto à fonte de S. Brás (antiga fonte dos mouros) estiveram os túmulos de diversos cavaleiros do Templo e as suas respectivas cabeceiras discóides, entretanto removidas há muito.
Também há muito aqui se reuniam para orar em conjunto, cristãos e mouros-livres em perfeita harmonia religiosa. Uma das características da convivência Templária.

Fonte de S. Brás

Testemunhos desses tempos idos, ainda são perceptíveis na toponímia actual nomes como a Rua da Quinta das Lages e o Caminho do Barrigoso que conduzia ao mourisco castelo de Balaq'ruq, sendo Barrigoso uma antiga corruptela deste nome árabe.

______///______

Queremos aqui agradecer as duas fotos seguintes que João Natividade gentilmente nos enviou e que testemunham a presença da Ordem interna nestas paragens.


"Cruz" da Ordem interna dos Cavaleiros Templários Portugueses,
em tudo idêntica à que se encontra junto à cisterna do castelo de Longroiva.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Tombo:LIX



Documentos dos Templários Portugueses
guardados na Torre do Tombo


8 de Dezembro de 1219

Carta de doação feita pela Ordem do Templo
a Fernando Anes e a D. Maria Rodrigues, sua mulher,
de uma herdade chamada o Rossio do Freixal.