História


"Esqueçam tudo o que vos contaram até hoje sobre os Templários!"
...

Os Templários Portugueses têm a sua origem num povo indomável e milenar que em épocas recuadas lutou pela sobrevivência da sua cultura ancestral. O povo Lusitano.
Um povo que soube unir-se no momento certo para sacudir o jugo do ocupante do solo sagrado dos seus antepassados e criar as raízes do seu próprio País.

Nas terras do norte e em pleno domínio árabe, Senhores de quatro Casas poderosas juntaram armas e começaram a congeminar um sonho. Dessa união nasceu o que nos é permitido apenas chamar de: A ORDEM.

"Atravessou os mares revoltos da História e sobreviveu até hoje."

Em 1110 elaboraram um Projecto do qual iria nascer Portugal.
Tendo participado na tomada de Jerusalém onze anos antes, o Cavaleiro Gondemar (o moçárabe Conde Omar) entre outras relíquias, trouxe consigo importantes manuscriptos que revelavam uma realidade histórica diferente da imposta na altura pelo poder religioso (e que hoje continua vigente, até o dia em que a verdade seja revelada).
Na posse e conhecimento desses testemunhos, a ORDEM passou a incluir a Terra Santa nos objectivos da sua missão.

Tomando conhecimento desta iniciativa e do conteúdo desses pergaminhos através dos seus freires, Bernardo de Claraval, "primeiro chocado e depois esclarecido", apadrinhou o Projecto e propôs-se difundi-lo discretamente nos centros esotéricos da Europa.
Foram destacados dois Cavaleiros lusos para se deslocarem a França e implantar o entusiasmo no seio da Cavalaria Espiritual local.

Acabaram integrando, assim, os nove fundadores da Ordem do Templo que viriam a apresentar o Projecto Templário ao Rei Balduíno na Cidade Santa de Jerusalém, em 1118. O monarca, entusiasmado, cede-lhes imediatamente instalações no Palácio que tinha sido outrora, o Templo de Salomão.

" Templo que recebia agora, a ORDEM nascida num outro Templo no longínquo Ocidente, e no qual tinha tido origem num passado também ele longínquo. ORDEM que buscava agora as páginas que julgara para sempre apagadas da sua História ancestral. "
...


Desta forma, a Ordem do Templo divide-se em duas frentes.
Uma, na Terra Santa onde tenta por todos os meios criar um clima de segurança para os peregrinos cristãos. Onde muitas das vezes intervém para se evitarem posições extremas de crueldade nas contendas. Onde mantém uma relação de respeito entre oponentes, cumprindo e fazendo cumprir os acordos baseados na honra da Cavalaria Cristã e Árabe.
A outra, na Península Ibérica onde luta para implantar o seu Projecto, mantendo os mesmos príncípios e o mesmo modo de actuação.

Durante quase dois séculos a Ordem cresce e fortalece-se.
Distingue-se no campo militar, sempre ao lado do Rei-Irmão Afonso I de Portugal e seus sucessores.
Sempre na linha da frente de batalha.
Distingue-se também no empreendedorismo rural e administrativo, acarinhada pelas populações, recompensada pelo poder real e tolerada pelo clero.

Suspensa a Ordem em consequência dos acontecimentos ocorridos no início do século XIV em França, os Templários em Portugal mudam de nome e passam a chamar-se Cavaleiros da Ordem de Cristo.
Parte dos seus conhecimentos guardados durante anos serão usados na epopeia marítima que se segue.
A ORDEM oculta, essa manter-se-á nos bastidores da História dando todo o seu apoio aos seguidores do Projecto.
Até aos nossos dias...